Em Rondônia, policiais da PRF e PF reprimem manifestação pacífica contra Bolsonaro

Os policiais mandaram manifestantes de protesto contra o presidente baixarem cartazes de forma intimidativa e ameaçadora, afirmam pessoas que estavam no ato

Representantes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Federal (PF) reagiram, mais uma vez, de forma ameaçadora e intimidativa contra manifestantes que queriam protestar contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), nesta quinta-feira (3), em Porto Velho, capital de Rondônia, onde exibiam cartazes pelo #ForaBolsonaro em vários pontos da cidade.

Os manifestantes se concentraram longe das barras de contenção colocadas pelos organizadores do evento, orientados pelas polícias, e ficaram com as faixas erguidas por cerca de 30 minutos. A ordem arbitrária de retirada das faixas foi dada com a chegada de Bolsonaro ao CPA. Veja vídeo no final do texto.

Os manifestantes, que denunciaram “ameaça” e “tentativa de intimidação” no tom usado pelos policiais,  tentaram dialogar sobre liberdade de expressão e passividade, porém a polícia alegou desobediência e ameaçou dar voz de prisão.

“Estávamos em poucas pessoas, em uma manifestação pacífica e quando ele [o presidente] estava se aproximando para entrar no palácio queríamos levantar as faixas. Neste momento, os agentes da PRF nos intimidaram dizendo que ali não era permitido o uso de faixas. Alegamos que estávamos fora da área de segurança e que ali poderíamos levantar as faixas. Então eles disseram que poderíamos ser presos por isso. Foi nesse momento que recuamos porque poderíamos sofrer prisões arbitrárias”, disse Ocelio Muniz, coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragem e Frente Brasil Popular em RO, ao G1.

CUT-RO cobra da PRF 

A direção da CUT-RO entrou em contato com a assessoria de imprensa da PRF e foi informada que  as questões foram encaminhadas para a Direção-Geral da entidade, em Brasília, para posterior análise e pronunciamento.

Mociata

Bolsonaro foi a Rondônia para encontro com o presidente do Peru mas, antes, aproveitou para, em pleno dia útil, fazer uma motociada que saiu da base aérea do exército da capital e seguiu para o CPA, onde foi a reunião com o peruano que, segundo o Itamaraty, tratou de comércio, acesso a mercados, integração, fronteira, defesa, segurança e pandemia de Covid-19.

Confira no vídeo abaixo a chegada dos policiais mandando as pessoas baixarem as faixas de protesto no local onde Bolsonaro era aguardado, o Centro Político Administrativo (CPA), para reunião com o presidente do Peru, Pedro Castillo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.