“Vamos voltar”, gritou multidão da praça de Maio, em Buenos Aires, para Lula

Vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, que discursava, dirigiu-se ao ex-presidente: “A última vez que eles gritaram isso, Lula, deu certo”

Pode ser uma imagem de 3 pessoas, pessoas em pé e ao ar livreDurante sua participação no Dia da Democracia nesta sexta-feira (10), na Praça de Maio, em Buenos Aires, o ex-presidente Lula ouviu de uma multidão de argentinos o grito de “vamos voltar”, em referência ao seu eventual retorno à presidência do Brasil em 2022.

Pode ser uma imagem de 4 pessoas, pessoas em pé e ao ar livre

Em resposta à manifestação do público, a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, afirmou: “veja companheiro, cada vez que cantaram isso não se equivocaram!”.

Assista:

.

Unidade latino-americana

Em seu discurso, Lula reforçou a união entre países latino-americanos que precederam a série de golpes que aconteceram na região.

“Tive a felicidade de governar o Brasil no período em que Cristina Kirchner governou a Argentina, Hugo Chávez era presidente da Venezuela, quando o índio Evo Morales era presidente da Bolívia, quando Tabaré [Vázquez e Pepe Mujica governavam o Uruguai, [Fernando] Lugo era presidente do Paraguai, Michelle Bachelet e [Ricardo] Lagos eram presidente do Chile, Rafael Correa era presidente do Equador”, disse.

“Estes companheiros progressistas, socialistas e humanistas fizeram parte do melhor momento de democracia da nossa pátria grande, a nossa querida América Latina”, destacou o petista.

“Posso afirmar a todas as mulheres e homens que a nossa querida América do Sul viveu o melhor período de 2000 a 2012 quando nós governamos democraticamente todos os países da América do Sul. Quando expulsamos a Alca, criamos a Unasul, a Celac […], em que participava Cuba e não participava nem os Estados Unidos, nem o Canadá”, concluiu.

Perseguição política

Ele também agradeceu a solidariedade do povo argentino, que denunciou sua perseguição política pela Lava Jato e o golpe de Estado no Brasil. “Agradeço a cada argentino que prestou solidariedade a mim quando fui preso no Brasil”, ressaltou.

“A mesma perseguição que me colocou em cárcere é a mesma perseguição que a companheira Cristina foi vítima e é vítima aqui na Argentina”, denunciou.

Ele ainda agradeceu Alberto Fernandez que era candidato a presidente da Argentina e “teve coragem de ir na cadeia me visitar, mesmo eu pedindo para ele tomar cuidado que talvez não fosse prudente”.

Pode ser uma imagem de uma ou mais pessoas, pessoas em pé, multidão e ao ar livre

E concluiu: “esse é um dia para vocês encherem o coração de esperança, porque a democracia não é um pacto de silêncio […] é o momento extraordinário em que nós nos manifestamos na construção de uma sociedade efetivamente justa, igualitária, humanista, fraterna, onde o ódio seja extirpado e o amor seja o vencedor”. E ainda disse que estará ao lado de Fernandez para “melhorar a vida do povo argentino”.

Brasil 247

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.